Banda Kalifa lança seu primeiro disco em Vitória

Por 13:49

O show de lançamento do disco “Sol” acontece nesta sexta-feira (10), no São Firmino Botequim, a partir das 22h

Unir a percussão do samba a elementos do rock e do soul, acrescentando guitarras elétricas nos arranjos, pode resultar em uma mistura conhecida como sambarock. E é por esse caminho que a banda Kalifa tem andando, há mais de 10 anos. O grupo vai lançar seu primeiro disco, intitulado “Sol”, nesta sexta-feira (10), a partir das 22h, no São Firmino Botequim, em Vitória. Atualmente, a banda conta com Diego Lyra, no vocal; Derick Pilinga, na guitarra; Duda Rasta, na bateria; e Saulo Santos, na percussão.

“O Kalifa, como a maioria das bandas, começou da reunião de amigos que tinham o interesse simples de ‘fazer um som’. De lá pra cá, conta-se mais de uma década. Mas o Kalifa como é hoje, neste formato, possui sete anos de idade”, conta o guitarrista Derick Pilinga. E o nome da banda veio justamente daí, da união dos amigos ao luar na beira da praia, em Fundão, onde começaram a tocar juntos. ”Os primeiros luaus que o grupo de amigos se reunia pra tocar, antes ainda da formação da banda, aconteciam em uma praia do norte do Espírito Santo, em Praia Grande. E adivinhe? O nome da praia é Praia do Kalifa”, explica Derick.

Com forte influência dos músicos brasileiros Jorge Ben e Bebeto, a banda não podia deixar de fora do novo disco a miscelânea de ritmos que sempre esteve presente em suas apresentações. “No CD Sol, nós apresentamos a banda. Portanto, nada mais coerente do que inserir no álbum o que mostramos nos shows: sambarock, alegria e energia. Somamos ainda neste primeiro álbum flertes com a música latina e o rap que são estilos que também nos influenciam”, afirma Derick. O guitarrista conta, ainda, que, para a produção desse álbum especificamente, o grupo buscou influências no trabalho da banda paulista Clube do Balanço e do cantor Tim Maia.

As gravações do disco duraram 364 dias, quase o mesmo que a Terra demora para dar uma volta completa em torno do Sol. Está aí uma das explicações para o nome do primeiro álbum da banda. “Foi uma jornada! Em um momento de pré-produção, nós selecionamos cerca de 80 composições. Porém, quando chegamos ao estúdio, nosso produtor Felipe Gama, descontruiu tudo. Deste montante chegamos às 11 faixas do disco”, conta Derick. Após a gravação das músicas, foram necessários mais nove meses para fazer nascer o disco “Sol”.

Em 2009, a Kalifa lançou o EP “Esqueça o mundo e balance!”, produzido por Ricardo Mendes, para apresentar duas de suas músicas autorais: Vendaval e Tarde de Domingo. A banda já fez shows fora do estado, como no Rio de Janeiro, mas não deixou de lado a terra natal. “O Espírito Santo vem de um momento de quase morte cultural desde o último boom musical, que aconteceu no início dos anos 2000. [...] Porém, hoje, nós enxergamos o cenário musical capixaba em um momento de efervescente renovação. Temos artistas produzindo e conseguindo romper aos poucos barreira do consumo. Ao lado de artistas como André Prando, Pó de Ser Emoriô, Moana, Projeto Feijoada, Derengos e tantos outros, nos sentimos ponta de lança neste momento de renovação do cenário musical do estado”, afirma Derick.

Lançamento
“Sol” vai nascer nesta sexta-feira (10), em apresentação no São Firmino Botequim, em Vitória, a partir das 22h. “Para a festa de lançamento, nós preparamos um show completamente novo. Além das músicas do CD, também tocaremos um baile com sucessos em roupagens novas. Teremos Paralamas, Carlinhos Brown, Seu Jorge e por aí vai”, conta Derick.

Como canta uma das músicas do grupo: "vai ser um dia bom, daqueles que você levanta e já escuta o som”. E aí, curtiu?

0 comentários