Emílio Orciollo traz monólogo para o Theatro Carlos Gomes

Por 13:38

A peça “Também queria te dizer - Cartas Masculinas” fica em cartaz neste sábado e domingo  na capital e pretende emocionar o público capixaba

Em cartaz desde 2012, a peça Também queria te dizer - Cartas Masculinas chega à Vitória neste final de semana. O espetáculo será realizado no Theatro Carlos Gomes neste sábado (2), às 21h, e no domingo (3), às 19h. Emílio Orciollo Netto sobe sozinho ao palco para interpretar as histórias de seis diferentes personagens. Esse é o primeiro monólogo do ator em 25 anos de carreira, um desafio que exige esforço e dedicação. “Eu tenho que me concentrar bastante, uma entrega total a seis personagens diferentes. Sem artifícios de figurino, cenário, maquiagem, apenas a interpretação do ator”, afirma Emílio.

A peça conta a história de um artista plástico que se encontra em crise, após receber duras críticas a seu trabalho. Ele decide, então, fazer uma instalação utilizando cartas e se permite interpretar a vida dos remetentes de algumas delas, narrando seus dramas e descobertas. Uma delas é uma verdadeira declaração de amor ao ofício do artista, enfatizando o quão ampla a arte pode ser. E é dessa maneira que Emílio vê o espetáculo, como uma grande homenagem ao trabalho do ator. “Não existe certo ou errado na arte e sim a necessidade de cada artista de dizer ou de fazer o que está inserido no seu coração ou dentro da sua sensibilidade, dentro da sua história”, afirma o ator.

O espetáculo teve temporada de cinco meses no Midrash Centro Cultural, no Rio de Janeiro, e já passou por diversas outras capitais como São Paulo, Salvador e São Luís. Dirigido por Victor Garcia Peralta, Emílio dá vida ao texto da escritora brasileira Martha Medeiros. “ Ela fala com simplicidade sobre toda emoção do ser humano. [...] Quem for assistir à peça vai ver que a Martha é uma autora tão maravilhosa que agrega homens e mulheres, agrega o ser humano”, afirma o ator. E quem achava que Martha só falava sobre o universo feminino, como em “Doidas e santas”, enganou-se. No texto de Também queria te dizer, o foco é o homem e suas emoções.

A solitude
Ator e autora dialogam, também, em outras questões. O texto do monólogo traz a solidão do personagem em crise para o palco e, ao mesmo tempo, exibe a solidão do ator em cena. Emílio não vê lado negativo nessa ‘solitude’, que acredita ser importante para o seu trabalho como artista. Em um de seus textos, Martha Medeiros escreve uma frase capaz de complementar o que o ator sugere: “A solidão não precisa ser aniquilada, ela só precisa de um sentido”.

“Eu acho a solidão muito importante, seja para o homem ou para a mulher e isso acaba refletido no trabalho do ator. [...] E a gente tem que aprender a lidar com isso, com a solitude. E essa solidão me faz bem, me agrada, alimenta meus trabalhos”, conta Emílio.

Também queria te dizer é capaz de emocionar e de fazer rir, de mexer na memória e de evocar sentimentos. Os seis depoimentos são confissões, pedidos de perdão, desejos de vingança, revelações ora trágicas, ora cômicas. Uma peça que trata com sensibilidade as relações humanas e, também, o ofício do ator.

Serviço
O monólogo Também queria te dizer fica em cartaz no Theatro Carlos Gomes, em Vitória, neste sábado (2), com sessão às 21h, e domingo (3), às 19h. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do teatro.

Sobre a apresentação, Emílio pretende emocionar e divertir o público capixaba. “Eu quero convidar a todos vocês em Vitória pra assistirem meu espetáculo. Logo depois, a gente sempre faz um bate-papo com o público falando do processo de criação, tirando dúvidas, conversando sobre o espetáculo com o público, quebrando essa parede do público com o ator. Acho muito importante a gente se aproximar. Espero vocês no teatro!”, convida o ator.

0 comentários