Loucura e inclusão são temas de exposição fotográfica

Por 14:07

Com fotografias de Carla Osório, ‘Loucos por Inclusão’ reúne retratos de pessoas com transtorno mental. A abertura acontece nesta quarta-feira (22), em Vitória

“Se a gente conseguir olhar o outro de frente, encarar o outro de frente, isso muda a nossa relação com o outro”, reflete a fotógrafa Carla Osório, que lança, nesta quarta-feira (22), seu mais novo projeto fotográfico, chamado Loucos por Inclusão. O trabalho resultou em uma série de retratos de pessoas com transtorno mental que ficarão expostos até o dia 22 de maio, no Memorial da Paz, na Praça do Papa, em Vitória.

Mais de dez anos separam a fotógrafa de seu último projeto de documentação fotográfica, o Negros do Espírito Santo, mas a intenção continua sendo a mesma: dar visibilidade a grupos. “Essa questão do transtorno mental é uma questão muito importante, porque o Brasil está passando, há algumas décadas, pela mudança do tratamento clínico dessas pessoas. Ou seja, essas pessoas não mais vão ficar trancafiadas em hospitais. [...] Agora, a própria saúde pública está pensando em um tratamento aberto e mais integrado para essas pessoas. Então, tá na hora de trazer essa questão também pra visibilidade”, afirma Carla.

As histórias, os olhares
Além de captar as imagens, Carla produziu seu próprio projeto e mobilizou uma equipe para percorrer o Espírito Santo, pesquisando as diversas formas de sociabilidade praticadas por quem vive com o diagnóstico de transtorno mental. Ela conta que muitos dos fotografados não tinham, por exemplo, coordenação motora para assinar um documento. Então, ela precisou mediar essa situação através do olhar.

“Nas imagens, as pessoas estão olhando pra câmera. São grandes retratos, portraits. A autorização da imagem está no fato de as pessoas encararem a câmera e isso se refletiu em imagens na parede de personagens que estão olhando para o espectador”, conta. Serão expostas dez fotografias, porém o catálogo que acompanha a exposição reúne, ao todo, 24 imagens, além do registro das histórias por trás das pessoas retratadas.

A equipe do projeto é composta ainda pela jornalista Manaira Medeiros e pelo psicólogo e especialista em saúde mental Eduardo Torre, responsável pela abordagem psicossocial dos personagens. Juntos, eles circularam por seis municípios do Espírito Santo: Pancas, Alegre, Cariacica, Serra, Aracruz e Guarapari. Entre os locais visitados, Carla conta que, em Pancas, no noroeste do estado, há uma comunidade expressiva de pessoas com transtorno mental.

“Também encontramos momentos de sociabilidade brilhantes que não tem como não se comover. A gente encontrou pessoas trabalhando nos jardins das cidades, no comércio, namorando, com uma vida totalmente integrada. [...] A gente viu que é possível essas pessoas terem uma vida normal”, conta a fotógrafa.

Multidisciplinaridade
Carla explica que busca sempre trabalhar, em seus projetos, com uma visão multidisciplinar, que possa integrar diversas linguagens. O catálogo que acompanha a exposição é exemplo disso e será distribuído gratuitamente. “Eu digo que o projeto não é meu. Eu estou fotografando o projeto, estou produzindo ele, mas ele é uma reunião de trabalhos de outros profissionais também. Então, o catálogo estava previsto desde o início e ele é super importante pra dar uma complementariedade pra fotografia”, diz.

Loucos por Inclusão apresenta uma espécie de retrato social da loucura no Espírito Santo, buscando dar visibilidade a um grupo historicamente discriminado, já que durante muito tempo os manicômios eram vistos como uma forma de manter a segurança pública, isolando os “loucos” das pessoais supostamente “normais”.

“Nesse momento que a sociedade vive da pós-modernidade, de uma ode à perfeição, quem não for totalmente perfeito não encontra seu espaço. Então, a gente tem que voltar a refletir sobre essa questão, primeiro social, porque a gente não pode jogar nossos problemas pra debaixo do tapete; e segundo, essa ode à perfeição, que isso sim é a uma verdadeira loucura, né?”, afirma Carla.

Quem quiser saber mais sobre o projeto pode acompanhar sua página no Facebook, clicando aqui. Segundo Carla, antes mesmo da abertura da exposição, a equipe já recebeu um convite para levar o material para fora do Espírito Santo e conta que a ideia agora é circular com esse projeto e divulgar ainda mais as questões que o envolvem.

“Eu queria que as pessoas fotografadas fossem olhadas de frente, sem medo do tamanho das outras. Eu tentei fazer as imagens em grandes dimensões. Queria que isso despertasse um respeito, um compromisso. Que a partir dali a gente pudesse não mudar de calçada quando visse uma pessoa com transtorno mental”, conta a fotógrafa.

Abertura
A exposição fotográfica Loucos por Inclusão será aberta nesta quarta-feira (22), às 19h, e ficará em cartaz até o dia 22 de maio, no Memorial da Paz, na Praça do Papa, em Vitória. Entrada gratuita.

“Eu não pretendo com Loucos por Inclusão encerrar essa discussão. Nós somos como uma enorme cama elástica. Vamos lançar um debate e esperamos que as pessoas envolvidas com esse tema se reúnam a partir dessa exposição, usem ela pra gente fazer esse debate”, afirma Carla.

0 comentários