Singela e visceral: Ana

Por 13:56

Conheça o trabalho de Ana Paula Gomes, cantora natural de Ibatiba que, há dois anos, começou a divulgar seu trabalho solo na internet

“Acho que entendi que era alguém no mesmo momento em que comecei a compor alguma coisa na minha cabeça”. É assim que Ana Paula Gomes, ou apenas Ana, explica como surgiu sua relação com a música. Há dois anos, a cantora começou a disponibilizar suas músicas na internet, no melhor estilo voz e violão. Com forte carga poética, as músicas de Ana são todas autorais e, aliadas à voz potente e suave da cantora, acabam criando um ambiente introspectivo e experimental.

“Costumo fazer música como quem faz amor, é completamente natural. Não preciso me direcionar para compor, refletir, tirar um tempo pra isso, não. Acontece, sai, flui. [...] Algumas vezes, a pedido de alguém ou pensando em compor para algo específico, aí sim eu paro, direciono meu tempo pra isso, mas na maioria das vezes acontece em meio às coisas do dia a dia”, conta.

Ana e a música
Autodidata, ela aprendeu a tocar violão muito cedo, ouvindo e observando seu pai tocar, quando ainda morava no município de Ibatiba, sua cidade natal. Por isso mesmo, Ana conta que não sabe o nome de nenhum acorde que executa. E, por incrível que talvez possa parecer, uma de suas principais influências musicais vem da música caipira. “Fui criada ouvindo música sertaneja raiz, aquelas modas de viola tão sentidas, tão bonitas e tão verdadeiras. O caipira tem um jeito de falar muito verdadeiro, muito dele. A gente sente forte sem precisar explicar. Com o tempo fui descobrindo a bossa nova, o rock, o jazz, o blues, e fui agregando tudo”, diz.

Ela conta que gosta muito das composições de Chico Buarque, mas confessa não ouvir muita música em seu dia a dia. “Não consigo fazer como a maioria das pessoas que ouvem música enquanto fazem tudo e qualquer coisa. Eu não. Tenho que parar, escutar, sentir”, explica.  Além dele, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Novos Baianos, Rita Lee e Erasmo Carlos estão entre as preferências da cantora.

A época da Aurora
Antes de, despretensiosamente, começar a divulgar seu trabalho solo, Ana participou de uma banda, a Aurora, que inclusive foi uma das vencedoras do Festival Prato da Casa, em 2011. “A Aurora foi uma banda massa que a gente teve, aprendi muito, amadureci muito como compositora, como artista, como cantora e como pessoa, por causa dessa galera. Foi meu primeiro contato com o público, com shows, com outros indivíduos trabalhando junto, curtindo o mesmo som, tendo que se tolerar, se amar. A gente tinha uma conexão muito legal, quando a banda acabou nos sentimos meio órfãos, mas continuamos amigos até hoje”, conta.

Tanto é que a atual produtora da cantora, Bia Souza, foi guitarrista da Aurora. “Eu sou muito passional, essa coisa de solo me assusta às vezes, tomar decisões, fazer o que eu quiser, é meio perigoso, por isso sempre mantenho pessoas importantes por perto. Minha produtora é minha melhor amiga, nós estamos juntas nisso, ela me freia e me ajuda bastante”.

O trabalho solo
Atualmente, Ana cursa a faculdade de Direito, mas a música é, para ela, quase como uma necessidade vital, orgânica. A cantora, que está sempre compondo, conta que é raro passar uma semana sem uma música nova. E, por querer compartilhar suas canções com os amigos, ela decidiu divulgar o que produzia na internet.  Com o tempo, não eram só os conhecidos de Ana que ouviam suas músicas: pessoas de diversos cantos do estado e até de outras cidades começaram a se relacionar com as composições da cantora.

“Quero que as pessoas ouçam e se sintam minimamente conectadas a mim, e a internet proporciona esse contato imediato de forma muito rica. Poder saber na hora se a galera tá gostando ou não, poder agradecer, poder acompanhar a repercussão, é sensacional. Hoje em dia, nem tudo que toca no rádio é o que a galera gosta, entende? A internet te dá a chance de levar seu trabalho pra qualquer lugar do mundo e ter o retorno imediato disso, pra nós, músicos, ou pessoas que trabalham com arte em geral, é maravilhoso”, afirma.

Recentemente, Ana gravou um vídeo para o 4º Studio da música “Deixa”, que alcançou, em seis meses, mais de 25 mil visualizações. A canção é um é um exemplo claro do que a cantora busca trabalhar em suas músicas: a mistura entre o simples e o intenso. “Gosto do que é visceral e singelo ao mesmo tempo, e procuro dizer isso de forma simples, para que todos entendam, para que seja algo sentido e não explicado”, conta.

E o retorno que Ana tem de sua música não é só em números, mas é, também, em afeto.  Em novembro deste ano, a cantora ganhou uma página no Facebook criada por fãs, chamada “Sol, chuva e ANA sim” – nome em referência à música “Sol, chuva e você não”.

“Sempre tive muito medo de ser interpretada de uma forma muito diferente ao que eu gostaria de ser, não que as pessoas não possam interpretar como quiser, mas sempre tive receio de ser muito banal. Tenho recebido muitas mensagens falando que minhas músicas tem uma forma muito singela e diferente de falar das coisas, foi o que eu sempre quis que as pessoas sentissem: singeleza, ainda que duro ou denso seja o sentimento, que seja singelo. Acho incrível esse retorno, poder falar com eles, poder agradecer, poder saber como interagem com as músicas. É maravilhoso amá-los e ser amada por eles”.

Novidades!
Ana está em fase de produção de seu primeiro EP, que está previsto para ser lançado ainda neste ano. O disco contará com canções já conhecidas pelos fãs da moça e algumas inéditas. “Eu vou colocar nesse EP tudo que eu tenho vontade, vai ser pra me libertar mesmo. Dançante, vivo, mas, claro, com o jeito intimista e denso que já é de se esperar. O disco terá sete faixas, algumas músicas que a galera já conhece, mas com uma roupagem diferente, e algumas músicas inéditas, e uma surpresa”, conta.

Além disso, a cantora está em constante produção musical, como ela mesma nos contou. Em sua página no Facebook, volta e meia, ela divulga uma canção nova ou traz alguma novidade sobre seu trabalho. Curtiu? Então, não deixe de acompanhar o trabalho de Ana, acessandohttps://www.facebook.com/anap.oficial.

0 comentários